Mortal Kombat: Nostalgia, inovação, violência e diversão na medida certa!

Vou começar fazendo uma pergunta simples, quantos clones de Street Fighter você conhece? Beleza, e agora, quantos jogos você poderia considerar como “clones” do clássico Mortal Kombat? Tendo isso em mente, as situações das duas franquias fazem jus ao fato de que não basta inventar um gênero, é preciso desenvolvê-lo, investir e ter pensamento empreendedor. Na década de noventa, Mortal Kombat foi um verdadeiro divisor de águas, sua proposta, inspirada nos novos jogos de luta e filmes B de artes marciais, trouxe o gênero para um patamar até então nunca visto, ao invés de personagens pixelados, nós tínhamos o uso de atores reais e a captura de imagens, e que embora anos antes de seu lançamento, já existissem jogos excessivamente violentos, como Splatterhouse, foi a primeira vez no gênero de luta que nós encontramos derramamento de sangue de uma forma tão explícita, personagens trocavam golpes enquanto o sangue escorria na direção oposta e gritos de dor eram deferidos – em especial, graças ao famoso e inusitado “quebra nozes” do Johnny Cage – e principalmente, aquilo que consagrou a série, os famosos Fatalities. Após cada luta, o jogador ganhava a oportunidade de realizar uma seqüência rápida de botões que permitia – de forma espetacularmente brutal – finalizar o seu oponente, e isso foi um diferencial na época, não só pela violência e o “susto” (a tela escurecia, uma música sinistra tocava e você pensava “ai caralho, lá vem…”) mas pela comoção que causava durante as partidas e fliperamas, saber executar um Fatality, para os nerds da época, era realmente algo para se comentar.

A franquia, depois de quase uma década, passou por altos e baixos, tendo ótimas seqüências como Mortal Kombat 2, 3 e Trilogy, e outros mais decepcionantes, como a empreitada da série no gênero “Luta 3D”, quando foi anunciado o Mortal Kombat 9 – objeto desta resenha – muitos se impressionaram e ovacionaram a volta da série as origens, ficou um questionamento no ar, seria apenas um jogo movido ao marketing da nostalgia? Ou a série finalmente teria um título a altura de sua fama depois de tantos anos?

Em partes, Mortal Kombat 9 retorna ao time que estava ganhando, embora totalmente 3D – impulsionado por um ótimo trabalho da Unreal Engine por parte dos programadores – o game traz de volta a jogabilidade 2D, um elenco de personagens e cenários clássicos, porem com grandes “melhorias”, verdadeiras evoluções e até mesmo correções que a série explorou ao longo de todo esse tempo. Nunca vi antes, no gênero de luta, maior importância para questões como roteiro e background, Mortal Kombat quebra com este paradigma, apresentando um “Story Mode” rico e extenso.

A história reconta os eventos da trilogia clássica e serve para finalmente acertar os inúmeros ret-cons que a série sofreu. Raiden, em combate final com Shao Khan, o antagonista da série, percebe que está preste a ser derrotado e com isso utiliza suas últimas energias para mandar uma mensagem para seu “eu passado”, começando a partir do primeiro Mortal Kombat, um Raiden mais jovem passa a ter uma série de visões do futuro e tenta – de uma forma até muito pírrica – evitar a cadeia de eventos que inevitavelmente levarão Shao Khan ao triunfo sobre as forças da terra (ou como na série, Earthrealm).

É interessante ver o apreço que os desenvolvedores tiveram por este modo, cutscenes bem roteirizadas e feitas, uma dublagem que, embora não impressione, não deixa a desejar em relação a nenhum grande título no mercado, personagens que no passado eram considerados “genéricos” (como os “Ninjas” Sub-Zero, Scorpion e etc.) ganharam personalidade, trajes e um repertório de golpes distintos. A impressão que temos é que os criadores quiseram passar a impressão de “personalidade” para os jogadores, todos os personagens têm golpes distintos, dublagem e características marcantes, não foram poupados esforços nesse aspecto, o mesmo chega a ser válido para os cenários, bem feitos e interativos, com diversas situações ocorrendo ao fundo da tela!

Se a violência foi o grande charme da série no passado, o mesmo se repete nesta versão do jogo, com um intuito mais modernizado, o sangue não só jorra aos galões como também encharca o chão das fases e as roupas dos personagens, durante toda a partida, existe um certo efeito de “degradação”, conforme a luta se desenvolve, os personagens sofrem escoriações, hematomas e até algumas lesões mais graves, como pedaços da pele rasgados, veias dos olhos estourando e partes do couro cabeludo arrancados, é legal ver que esse recurso não apenas adiciona uma noção de “realismo” ao jogo, como também de progressão e até narrativa, tornando cada batalha única e visceral. Uma grande novidade pro jogo foi o “X-Ray Attack”, como o próprio nome diz, ataques especiais que, quando executados, permitem que os espectadores vejam a extensão interna do estrago, em câmera lenta nós observamos crânios trincarem, membros partirem ao meio, testículos serem amassados e toda sorte de doidera dolorosa que nós podemos imaginar.

A cereja do bolo, os Fatalities, foram re-paginados sem perder a essência que tornou a série famosa, golpes clássicos, como as decapitações de Johnny Cage e Sub-Zero receberam novas – e brutais – interpretações, tirando a até bem humorada falta de realismo nonsense, finalmente uma das coisas que eu sempre julguei “toscas” foi corrigida, esqueça aquela história de que quando o cadáver explode, um milhão de ossos (como direito a três caixas torácicas….) voam pela tela, agora os desenvolvedoras deram atenção extra a questão anatômica, espere que os personagens sejam eviscerados e as coisas certas saiam pelo bucho.

O nova encarnação da franquia Mortal Kombat não ganha apenas pela nostalgia que instiga em milhões de fãs mais velhos, mas em também – de uma forma muito superior ao Street Fighter IV – em modernizar aquilo que é clássico, sem sacrificar os tratos que no passado trouxeram prestigio, embora tudo no jogo seja de certo modo “familiar”, são nesses detalhes que o jogo surpreende, a idéia é que ao jogar sempre espere por “algo a mais”, em tempos onde novamente se discute a influência dos “jogos violentos”, Mortal Kombat ignora a demagogia e vai direto ao ponto, nos entregando diversão e violência na medida certa!

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Allan Santos  On 04/05/2011 at 22:23

    esse jogo é muito massa! o que eu + gostei foi das garotas lindas e fatais, principalmente a kitana e mileena

  • lool  On 28/10/2011 at 22:52

    eu tenho o mortal kombat armaggedon , mas uq ta foda agr é pq minha mae viu eu jogando e nao qe deixa eu joga por causa da minha irma q tem 7 anos -.- , minha mae axa q ela pode ve , entao agr eu so jogo de manha antes de ir pra escola e de tarde.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: