Iemanjá e Seth, um paralelo

Por Dan Erik

Ontem, assistindo uma vinheta daquela série Sagrado, me veio uma correlação interessante entre Iemanjá e Seth que pode indicar mudanças no culto a Iemanjá.

Ano passado eu encontrei no Scribd um estudo acadêmico extenso chamado Seth, God of Confusion – A study of his role in egyptian mythology and religion, de 1967. Entre outras coisas, o autor, H. Te Velde, fala que além de deus da confusão ( não no sentido de baderna, mas no sentido de caos, desordem e desagregação ) Seth também foi cultuado no Antigo Egito como deus das fronteiras, de qualquer espécie, fronteiras territoriais ou metafísicas.

O autor relata que a conexão de Seth com as fronteiras, já existisse na segunda dinastia, porque imagens do animal relacionado a Seth, que é tão deus da confusão que ninguém sabe dizer ao certo que animal era, ao contrário de todos os outros deuses, é visto em cenas de caça no deserto, e na terra das gazelas. Então imaginava-se que o animal sethiano vivesse fora do mundo habitado. Cada povoado que se instalasse perto das fronteiras do Egito cultuava Seth e pedia sua proteção, portanto.

Deve ficar claro, que nessa época Seth não era um deus maligno como é retratado e cultuado hoje. Seth fazia o par Criação/Destruição com Hórus. Os dois não se eliminavam mutuamente, muito pelo contrário, eram duas faces da mesma moeda. E isso se dá pelo próprio pensamento dual da religião egípcia. “as above, so below” etc. As pessoas agradeciam a Seth por ter vencido a serpente Apophis entre outros feitos. Mas tudo mudou quando outros povos passaram a invadir e saquear o Egito, e é aí que chego ao ponto que eu quero. Esse tipo de acontecimento coloca em cheque o poder de Seth como deus das fronteiras, como se ele não estivesse mais cumprindo suas funções de repelir os demônios do deserto.

A partir daí ele passa a ser execrado e se torna um deus mal. E qual é a relação com Iemanjá, catso? Acho um absurdo cultuar uma deusa das águas no rio de janeiro quando as enchentes destruíram tantas casas e tantas vidas. O correto seria dar “uma bronca” na deusa, quando ela não cumpre algo que faça parte de sua jurisdição. Ou como os egípcios fizeram com Seth, a execrem e a tornem uma deusa traiçoeira como Loki. É claro que não se pode mudar uma tradição de séculos, mas se as enchentes se tornarem rotina, até mesmo os seguidores mais ferrenhos de Iemanjá fariam a seguinte reflexão: “a água inundou a minha casa e agora vou cultuar a deusa das águas?” Senta lá, Claudia! É essa a minha previsão para o futuro de Iemanjá.

Dan Erické formado em Design pela ESPM, sofredor do Paraná Clube e egiptólogo. Seu blog é Tesseract! e seu msn solipsistomaschewsky@hotmail.com

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Flávia  On 09/02/2011 at 11:41

    Iemanjá é a Rainha do Mar e Oxum é a Rainha da água doce dos rios e cachoeiras…
    Considerando que a enchente foi de água doce, o que pode acontecer é uma mudança no culto à Oxum, não à Iemanjá.

  • dan erick tomaschewsky  On 10/02/2011 at 1:48

    Valeu pela contribuição Flávia, não sabia que as entidades do candomblé eram tão específicas.

Trackbacks

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: