Bactérias e registros atávicos

Por Dan Erick

Primeiramente agradeço o convite do Alessio para escrever para este blog. Achei que este artigo tem a cara do Nerdevils.

Há algumas semanas atrás li a notícia de que estudantes da Universidade chinesa de Hong Kong, desenvolveram um procedimento para armazenar informações de computador no código DNA, e depois poder extraí-las novamente sem qualquer perda de dados. Foram capazes de armazenar 90 GB em apenas 1g da bactéria E.coli.

Um dos meus dons malditos é fazer as relações mais curiosas entre temas sem qualquer relação direta. E após ler esta notícia, achei que tinha algo a ver com a idéia de Atavismo, mais precisamente Registros Atávicos.

Atavismo, (dolatim atavus, “ancestral”) é o ressurgimento das características de um certo ancestral ou mais, após um lapso de tempo que pode ser de várias gerações. E levando a idéia adiante, poderia ser uma explicação razoável para a idéia de reencarnação, ou casos em que uma marca de nascença simboliza cicatrizes adquiridas em vidas anteriores.

Pois então, a relação que eu fiz foi.Se o DNA é capaz de armazenar um tamanho tão colossal de informação, porque não aceitar a idéia de que certas características e habilidades não somáticas de uma pessoa possam ser armazenado em seu DNA durante a vida, e perpetuados através das gerações de sua família? Seria uma boa explicação para a idéia de que “Filhos de espíritas tendem a ter as habilidades psíquicas dos pais”. Talvez esses registros atávicos tenham sua expressão de duas maneiras: características somáticas (olhos, barba, cor de pele) e as características psíquicas. ( mediúnidade, premonições, leituras de energia).

Seria bom se pudessemos resgatar registros atávicos úteis de nossos antepassados, da mesma maneira que os chineses fizeram com a informação armazenada no dna da bactéria. A questão seria o como decodificar e trazer para a mente consciente esse tipo tão intangível de informação. Entrando em hipóteses mais esquisotéricas, Kenneth Grant conta como Austin Osman Spare desenvolveu uma forma de resgatar informações atávicas em seu breve artigo “Austin Osman Spare e o Atavismo”.

“A “fórmula de ressurgência atávica” de Spare se baseava no uso de figuras simbólicas, que davam uma forma visível a vários impulsos e desejos atávicos das profundezas da mente. Ele afirmava que precisava apenas visualizar uma das figuras para que o impulso atávico surgisse. Um exemplo dado por ele fala sobre uma ocasião em que ele necessitava mover um pesado monte de lenha, sem ninguém para ajudá-lo, Spare fechou seus olhos por alguns momentos e visualizou uma figura que simbolizava um desejo pela força dos tigres. Quase imediatamente, sentiu uma resposta interior. Então sentiu repentinamente um aumento de energia fluindo através de seu corpo . Durante um momento , sentiu-se como um arbusto curvado pela força de um vendaval. Com grande força de vontade, ele se acalmou e direcionou a força ao objeto apropriado . Sentiu uma grande calma e se descobriu capaz de carregar facilmente a lenha.

Meditemos.

Dan Erick é formado em Design pela ESPM, sofredor do Paraná Clube e egiptólogo. Seu blog é Tesseract! e seu msn solipsistomaschewsky@hotmail.com

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • InluxBDX  On 13/12/2010 at 22:01

    Cara, idéia interessante, tanto para a questão de armazenamento de informações para gerações futuras quanto para o próprio uso integrado como um hd.

    O primeiro traria espaço para pesquisas do uso de informações em nosso consciente ou talvez inconsciente, vai saber que droga que este povo tá usando. Mas, como funciona a integração DNA e informações?

    Tem o link do artigo fácil aí?

Trackbacks

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: