Publicitário e Nerd: respirar e consumir

Eu comecei a ter noção da idéia de “sociedade de consumo” quando comecei a estudar Publicidade & Marketing na faculdade, das noções como o que importa para o público não é a usabilidade de um determinado produto, mas sim o valor inerente na marca, os ciclos de obsolescência planejados e até cheguei a me aprofundar nos estudos acadêmicos, com autores como Gilles Lipovetsky e seu “Império do Efêmero”. É curioso pensar sobre essa idéia de consumo a partir da minha ótica profissional e até mesmo cotidiana, como Publicitário, participo de forma estratégica, calculada, na elaboração de campanhas, promoções e novos produtos para fomentar o mercado de consumo, há quem diga que assim como os Advogados, minha classe profissional apresente certo “vácuo moral”.

Sim, existe frieza da minha parte ao ingressar em brainstorms, é uma frieza de caráter lógico, onde o apelo emotivo se traduz como um subterfúgio, nós, em suma, estamos preocupados em passar uma mensagem para o público do cliente, uma mensagem calculada, planejada, que remeta aos objetivos em pauta. Não é a toa que o apelo emocional em uma peça publicitária é dito como persuasivo, uma comparação pertinente: James Cameron, diretor de Titanic, foi estratégico ao pensar nos pontos chaves da trama, clímax, catarse, chavões utilizados, tudo se encaixou, tendo o gatilho perfeito para emocionar a platéia, você.

Claro, você pode falar: “Ah, mas a vida não é como uma propaganda de margarina”, tudo bem, você está certo, mas aquilo representa um ideal, um estilo de vida, é lúdico, nós somos seres lúdicos, antes ludens do que pretensiosamente sapiens, uma derivação genética em nosso córtex que permitiu toda nossa trajetória no planeta, nós, humanos – consumidores – gostamos de sonhar.

É a idéia de fetiche, que Freud adaptou – de forma pertinentente – de nossos antepassados, objetos – coisas – que nos façam depositar idéias e buscar confiança, que, dentro da esfera humana, possa comunicar algo.

Consumo, não apenas material, mas de idéias, e eu refuto sem pensar duas vezes, no tom pessimista – muitas vezes demagógico – que foi empregado nesta palavra, eu me alimento, eu respiro, bebo água, isso é consumismo em seu estado natural, mercado e seus agentes são apenas uma extensão artificial desta idéia, “Meios de comunicação como extensão do Homem”, coisa do McLuhan.

O Consumismo é dito como algo negativo pela inaptidão das pessoas em se atualizarem, qual é o caminho contrário do mesmo? A inércia? A morte pela falta de iniciativa? O desaceleramento ludista? Como já dito aqui neste blog, o futuro ainda é mal distribuído, é factual que o pensamento dromológico apresenta condições insalubres, mas qual é a alternativa? Negar algo que é inerente a constituição de nosso ser? E mesmo que o consumismo seja incompatível como a dromocracia, qual é a solução? Para muitos, humanizar é apenas ressentir…

Além de publicitário, eu sou o que hoje dizem ser “nerd”, em um sentido exclusivista, como perpetuador de uma cultura de nicho: games, literatura, pop art, glamourizada, talvez, por uma tendência de mercado, mas em essência, não é o que todos nós somos? Nerds. Nerds de futebol, Nerds de telenovela, Nerds de programas de fofoca, Nerds políticos, Nerds pelo caráter fascinante de nossa cultura pop.

Anúncios
Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • agrt  On 28/10/2010 at 17:57

    Sintetizou bem alguns pontos que considero relevantes ao se pensar a palavra “consumo”. Se cultura é sempre artificial e através dela que damos algum significado ao mundo e ao mesmo tempo nos acorrentamos nele, será que a solução seria não ter cultura? ou seria mais interessante uma cultura que entre várias opções de desenvolvimento está sempre em guerra de interesses dos grupos? O mesmo se pode pensar do consumismo, ele não é mal per si, apenas alguns aspectos realçados nos dias (ou pós-)modernos de exarcebação que é alimentado por essa área de publicidade.

    • Biopsicossocial  On 29/10/2010 at 10:19

      O que podemos dizer que é cultura? toda deformação e submissão ao capitalismo que vivemos hoje não é cultura, não para mim. O que temos que avaliar é o excesso do que chega até nós, seria muito legal pararmos de consumir e ver o mundo entrar em colapso. E damos significado ao mundo não pela nossa cultura… sim ela influência, mas um recém nascido já significa e re-significa o seu mundo sem saber o que é cultura. Cultura é subjetivo e relativo, e vivemos o pós-moderno neoliberlista globalizado… pff.
      No mais, belo texto…

  • Alessio Esteves  On 29/10/2010 at 1:31

    Sinto que este post vai render mais…

Trackbacks

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: