Marina Silva e a Manipulação da Ideologia – Parte I – Os Erros dos Adversários

Independente de quem vá ganhar o 2° turno da eleição presidencial deste ano, a única candidatura realmente vitoriosa foi a de Marina Silva pelo Partido Verde (PV). Parece uma grande loucura dizer isso uma vez que ela não foi eleita e não passou de 3° nas pesquisas, mas vamos analisar o cenário e seus fatores um pouco mais a fundo.

José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) estiverem em algum momento da corrida presidencial com o jogo praticamente ganho e por erros da própria equipe de campanha ou de algum aliado colocaram tudo a perder.

Serra despontava como favorito até o primeiro semestre, mas aí sentou em cima de seu favoritismo e usou e abusou disso antes do início oficial da campanha. Primeiro atropelou adversários dentro do próprio partido, barrando uma votação interna para a escolha de um candidato tucano e assim tirando Aécio Neves (MG) do páreo. Mas o mineiro tem uma base ampla dentro do partido (incluindo aí Geraldo Alckmin em São Paulo) e esse racha interno seria notado em todo o decorrer da campanha, com candidaturas do partido e da base aliada mostrando José Serra muito pouco ou até mesmo o omitindo totalmente em programas e santinhos.

Depois veio a demora em oficializar a candidatura. Pode parecer bobagem diante do fato que todo mundo já sabia que ia ser ele mesmo, mas diante da burocracia sem fim que é a Legislação Eleitoral brasileira, isso faz muita de diferença para definir alianças, arrecadações, doações e material de campanha.

E a cartada final foi a “escolha” do vice-candidato empurrado à força pelo DEM. A única coisa notável no currículo de Índio da Costa era ele ter sido o redator do projeto de lei Ficha Limpa e MAIS NADA. Era nítido que o partido aliado não tinha nada melhor para oferecer e a escolha foi alvo de chacota para muita gente.

Durante a campanha em si, o candidato José Serra parecia sofrer de uma doença muito em moda atualmente: Transtorno Bipolar. Ele tinha que falar mal a Dilma sem falar mal do Lula, um presidente com mais de 70% de índice de aprovação. E aí tivemos aquele discurso esquizofrênico, onde se falava mal do governo e se mostrava alinhado a Lula. Claro que ninguém engoliu isso e Serra caía cada vez mais nas pesquisas.

Já do lado petista a missão era árdua. Após escândalos de corrupção limarem boa parte da cúpula do PT, não havia um nome forte para a disputa nacional. As únicas opções eram Marta Suplicy, arrogante demais para ganhar a simpatia nacional, e Aloísio Mercadante (bem, este segundo não é exatamente um nome forte, para sentir o nível em que o partido estava). Coube então ao presidente Lula inventar uma candidata e daí surgiu Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, o ministério que é o “braço direito” da presidência. E fez plástica na mulher, repaginou todo o visual dela e a colocou para inaugurar mais obra atrás de obra. E ela contava com o melhor cabo eleitoral do momento: o próprio presidente Luís Inácio Lula da Silva

Convém notar que não era Dilma quem estava ganhando e sim Serra quem estava perdendo. Se o governo Lula era tão bom assim a ponto do próprio tucano atrelar a ele sua candidatura, melhor votar na mulher que o presidente indicava, certo?

E dentro disso a candidatura de Dilma crescia, uma vez que o discurso de Serra acabou decepcionando quem votava nele e não convenceu o resto do eleitorado a mudar seu voto.

Percebendo que o próprio Serra não teria forças para derrubar a petista, a maior parte da mídia (que é a favor do tucano) rapidamente começou a dissecar qualquer aspecto da vida de Dilma e publicava qualquer coisa que achassem que poderia desaboná-la. E quando eu escrevo qualquer coisa entendam isso literalmente: usaram até o fato dela ter tido uma loja em tempos imemoriais que acabou falindo como exemplo de que ela não seria uma má administradora. Mas isso merece um post à parte. A questão é que cavoucaram tanta coisa que acabaram achando.

Veio então à tona um suposto esquema de quebra de sigilos fiscais de membros do PSDB e familiares de Serra a mando do PT de São Bernardo. O candidato tucano ficou de “mimimi” em plena propaganda eleitoral contra esse crime contra sua filha. Mas após descobrir que meio mundo não tava nem aí pra sigilo fiscal, vir à tona que ele sabia disso desde janeiro e veio reclamar somente agora e que uma empresa da filha dele deixou exposto na rede dados bancários de todos os seus clientes, a denúncia perdeu força e foi para o limbo.

Foi então que descobriram que o filho da mulher que estava no lugar da Dilma na Casa Civil estava fazendo lobby. Pareceu confuso? Mas foi assim mesmo que a coisa toda foi noticiada. Mas como “água mole e pedra dura tanto bate até eu fura”, conseguiram convencer o eleitor médio de que de repente lobby passou a ser crime e Erenice “A Mulher que Dilma Colocou Lá” Guerra foi obrigada a pedir demissão do ministério. Aí o caldo entornou, pois por mais que Dilma e Lula dissessem que não sabiam de nada, foi no mesmo ministério que rolou o Mensalão que acabou derrubando José Dirceu. A mídia fez questão de lembrar a todos disso e como Dilma não era Lula, ela começou a recuar nas pesquisas.

E aí vem o dado curioso. Serra estava perdendo votos por não se definir como oposição ou situação e o caráter denuncista e oportunistas de suas denúncias fez com que ele se estabilizasse nas pesquisas e não conquistasse voto nenhum. Já as cagadas do PT e do Governo Federal marteladas diuturnamente pela imprensa conseguiram corroer a candidatura de Dilma. Então para onde estavam indo estes votos todos?

Para uma candidatura de uma acreana que era analfabeta até os 16 anos e havia saído do PT não havia muito tempo por discordar da política ambiental do partido. Essa candidatura era de um partido que não tinha muita força nacional, mas é visto como simpático por todos.

É claro que estamos falando da candidatura de Marina Silva pelo Partido Verde. Descontentes com a alopração petista e esquizofrenia tucana começaram a ver nela uma alternativa viável para mostrar que não estavam contentes com a disputa principal sem desperdiçar seu voto em um qualquer. A equipe de campanha verde percebeu isso e então tentou o que muitos achariam loucura: um 2° turno entre Dilma e Marina.

(continua…)

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

Trackbacks

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: