A “Eleição 2.0” no Brasil

Quem estava achando que a Rede ia ter grande influência no pleito deste ano caiu do cavalo. Mais do que fomentar debates, muito do que se fala sobre política em fóruns e redes sociais ainda é pregação para quem já está catequizado. Sem contar que as pessoas usam pouco a Internet para se informar sobre o assunto e o número de internautas comparado com a população brasileira ainda é pequeno.

Os mais entusiastas imaginavam um cenário a lá Obama, com militantes voluntários movendo mundos e fundos para seu candidato favorito, mas esqueceram-se de alguns fatores essenciais:

– Nos EUA não existe campanha gratuita na TV e toda inserção em horário comercial é paga. Logo o candidato tem que se virar muito mais para aparecer em todos os canais ou pelo menos nos mais relevantes. E se o cara não tem dinheiro tem que inventar alternativas viáveis. Já aqui no Brasil o infame “Horário Político” garante a todos seus segundos de fama em rede nacional de rádio e televisão. Portanto o grande foco dos nossos políticos são esses veículos;

– Nos EUA o voto é facultativo. Então os políticos tem que convencer o cara a sair de casa voluntariamente para votar, o que acarreta em um voto mais militante (e eu diferencio militante de conscientizado). Aqui somos obrigados a votar e as vezes acabamos votando em qualquer, afinal, eu tive que sair de casa mesmo, não é?

Porém mesmo não tendo a influência que muitos achavam que teria, a Internet está sim tornado esse pleito o primeiro “2.0” por uma série de razões. Vamos a elas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) traz severas restrições sobre o quanto a mídia pode mostrar sobre cada candidato, apesar do argumento oficial de que isso é feito para garantir certa igualdade, o resultado caba sendo uma forte mordaça sobre o que pode ou não ser dito e mostrado. Claro que as maiores restrições caem sobre a televisão e como grande parte da população ainda vê nela seu principal meio de informação, vemos essas notícias mornas sobre as agendas dos candidatos.

Somado a isso temos a própria vigilância dos partidos que ficam processando uns aos outros por uso da máquina do Estado, propaganda indevida ou antecipada, direito de resposta e outras mesquinharias do tipo. MESQUINHARIAS SIM! Aponte um único candidato da situação que não tenha feito uso do poder do Estado em sua campanha. O que é propaganda antecipada ou não é uma questão tão complexa que renderia um post próprio.  E direito de resposta eu sou contra entra em questõe jurídicas que saem do meu parco conhecimento, mas digo de antemão que mais atrapalha que ajuda.  Junte tudo isso a recente proibição de humoristas fazer piadas com os candidatos e temos essa cobertura dita imparcial e sem graça.

Pois na Internet tudo é bem diferente. É praticamente impossível controlar o que é dito sobre os partidos ou candidatos. O próprio TSE não tem regras claras sobre o que pode ou não. Claro que os sites oficiais e grandes sites são “monitorados”, mas de resto cada um fala o que quer e a notícia se espalha tão rápido que quando alguém pensa em abafar já está todo mundo sabendo. O pessoal até acompanha o que os candidatos e partidos dizem “oficialmente”, mas o legal mesmo é ver a fofoca de corredor ou as piadas de mesa de bar ganharem repercussão nacional e às vezes até mundial.

Para usarmos um exemplo que ainda tá quente, olhem essa pérola que fizeram com o José Serra, candidato pelo PSDB. A anta que preparou as falas dele permitiu que uma mera edição tosca gerasse a primeira grande piada da “Eleição 2.0”: O Serra Comedor.

Isso jamais passaria na TV aberta e nem poderia. Mas vão censurar isso no Youtube alegando o que? Aí que está a verdadeira contribuição que vejo da Internet, mostrar o que escapa da mídia tradicional ou o que eles tem medo de mostrar por pressão do TSE ou rabo preso mesmo.  O exemplo acima é uma piada, mas onde você viu na TV o vídeo abaixo?

Sem contar que você pode desde elogiar alguma proposta ou atuação até mandar literalmente alguém se foder e a pessoa pode até ignorar, mas vai ficar sabendo. Eu mesmo adoro tirar sarro das merdas que o vice do Serra e o PT postam no Twitter. Você tem um meio de falar o que pensa sobre qualquer candidato em um lugar em que todo mundo pode ver! Que tal começar a utilizar isso como bem entender?

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Gafanhoto  On 19/08/2010 at 2:12

    A internet só tem a crescer, e junto a nossa tão querida e nunca vista democracia. Mas será que isso não vai fazer com que a vigilância e monitoramento do que se faz e o que se vê vai aumentar em proporções épicas como vimos na China?

    • Alessio Esteves  On 19/08/2010 at 2:26

      A China sempre foi fechada a acredito que isso facilitou muito o monitoramento. Não creio que nosso país tenha unidade política para algo do tipo. Pode até haver um monitotamento maior, mas daí pra controle do que entra e saí? Acho que nem poder econômico pra isso temos.

    • Aline Cavalcante  On 19/08/2010 at 11:11

      Do jeito que brasileiro anda folgado, uma chibatada a la Mao não ia nada mal hein. Galere ia tirar os traseiros gordos dos sofás e fazer alguma coisa contra isso. HE HE HE

      • Alessio Esteves  On 19/08/2010 at 12:00

        Tenho sérias dúvidas quanto a isso dado o histórico de passividade do povo brasileiro.

Trackbacks

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: